Mas eu já falei 500 Vezes!!!: por que ninguém muda só ao ouvir

Seria tão prático se as pessoas fossem como os computadores! Bastaria nos reprogramarmos e estaríamos renovados. Mantidos os hardwares, ficaria a essência, mudado o software, estaríamos adaptados. Mas parece que com gente é diferente. Temos o que considerar valores, emoções e resistências de vários tipos. E afinal, porque uns mudam e outros não?

Depois de tantos estudos sobre processos de mudança, retornei ao clássico Kurt Lewin, pioneiro e até hoje consagrado como o pai da dinâmica grupal. Lewin, acredita que o aprendizado e a mudança entre adultos só ocorrem de fato quando se processam em três níveis: o Cognitivo, o dos Valores e o da Conduta.

Explicando melhor: o nível Cognitivo seria o do aprendizado racional, obtido por meio de informações e dados. Valores, para Lewin, compreende o nível emocional, o envolvimento, bem como nossas crenças e paradigmas. Finalmente o nível da Conduta envolve a prática.

Rudolf Steiner, o pai da Antroposofia, chegou a conclusões semelhantes, e fala que o aprendizado decorre da combinação entre o Saber, o Sentir e o Agir. Acontece que nossa cultura - e sobretudo as empresas - supervalorizam a razão e praticamente ignoram os outros níveis de absorção de mudanças. Passamos a acreditar que basta falar ou escrever, e caso a pessoa ainda não tenha “aprendido”, só nos resta repetir.

Um exemplo: converse com alguém que já viajou de avião pelo menos umas 20 vezes. Essa pessoa já ouviu pelo menos 20 vezes orientações sobre com proceder em caso de despressurização das cabines. Isto significa que elas terão o procedimento correto? Tenho minhas dúvidas. Se fosse comigo, duvido que meu lado emocional não se sobreporia às informações que eu havia recebido (bem...confesso que nunca prestei atenção, até porque minha motivação para tal nunca foi muito grande). Além do mais, como nunca usei as tais máscaras de oxigênio, não posso garantir que saberia colocá-las.

Você já deve ter percebido que não basta saber que cigarro faz mal à saúde para alguém parar de fumar, não basta saber que o comportamento de líderes, vendedores, auditores , administradores etc., etc., etc. mudou para que a pessoa mude (será que há algum profissional cujo perfil de comportamento não mudou?) .

E como promover mudanças nos outros níveis? A mudança de valores acontece muito em função dos modelos, ou seja, absorve-se o comportamento dos líderes natos ou dos profissionais em função de liderança ou até de pessoas que viraram mitos (mortas ou distantes). Assim, se você é líder, faça o que diz , pois as pessoas absorverão aquilo que você faz, e poderão usar o que você fala (e não faz) com pretexto para desautorizá-lo.

É grande também o poder de influência do grupo. Assim com muitas vezes os valores determinam se uma pessoa quer ou não quer pertencer a um grupo, a vontade de se sentir incluída pode provocar uma adoção ou não de novos valores.

E a mudança de conduta? Atletas treinam, atores ensaiam. E se as empresas criassem esse espaço? Que tal um tempo para a adoção de novos comportamentos com uma certa condescendência ao erro? Como aquela plaquinha que alguns balconistas em treinamento usam? Seria tão bom se outros profissionais a usassem também...

E você, está querendo mudar e não consegue? Isto significa que racionalmente você já está convicto da necessidade. Como facilitar sua própria mudança?

  1. Escolha seu grupo de apoio – Não conviva com deprimidos e derrotados se quer vencer na vida, frequente a também a lanchonete das academias de ginástica se estar lá ainda é um sacrifício esporádico.
  2. Eleja modelos – Vivos, mortos ou até fictícios, tenha alguém em mente para imaginar como ele ou ela faria em determinadas situações. Depois, é só copiar.
  3. Mude sua conduta – Muitos ex-fumantes abandonaram o vício evitando o cafezinho, já que ele levava ao desejo do cigarro. Adapte este exemplo à sua situação. Desautomatize comportamentos que quer abandonar e procure automatizar os que quer absorver.
  4. Mude o significado – Se você acredita no que está falando, estar de volta ao mercado tem mesmo um significado diferente de estar desempregado, aprender com a experiência tem mesmo um significado diferente de perder uma venda. Dê um significado mais construtivo e mais flexível à situações que está vivendo e aos rótulos que elas podem gerar. Quando a descrição das situações nos faz sofrer, fica mais difícil mudar.
  5. Tente, experimente, seja condescendente – Não corra riscos diante de quem vai julgá-lo, mas ensaie diante de quem lhe quer bem.

Acima de tudo, seja seu próprio fã. De quem você é hoje e de quem você será amanhã.

3 comments

  1. Alzira Simões 5 Fevereiro, 2005 at 23:04 Responder

    O artigo da Gisela Kassoy está fantástico, aliás fui de imediato aceder a página dela. O que vi de relance apreciei. Continuação de colocação de excelentes e actuais temáticas no portal KMOL.

  2. José Fernandez Freire 22 Fevereiro, 2005 at 23:04 Responder

    Fiz algumas reflexões após a leitura do excelente artigo.

    Na minha opinião a grande dificuldade em se promover mudanças em uma organização, é que normalmente os programas implantados ( qualidade, reciclagem, treinamento, novas ferramentas, motivação etc) são feitos para a base da organização. Os níveis hierarquicos superiores sempre consideram que na maioria das vezes não precisa mudar. Falta transparência e credibilidade em muitos destes programas. Apreender a falar e a ouvir é um exercício difícil. Poucos que tem o poder aceitam discutí-lo.

    Aprendizado de adulto é como aprendizado de jovem, é preciso praticar aquilo que é ensinado.

    Temos que criar um ambiente de credibilidade e transparência em toda a organização. Sabemos que não é fácil.

    A organização deve se preocupar também em formar o cidadão, e também ser o lugar onde cada colaborador considera como sendo o melhor para passar parte de sua vida.

Leave a reply