Inteligência competitiva nas organizações em Portugal

Numa altura em que as empresas precisam de cortar nas despesas e encontrar novos caminhos a inteligência competitiva deve ser valorizada pelas nossas organizações.

A inteligência competitiva (IC) é uma componente importantíssima da economia do conhecimento. A leitura correta da estratégia da concorrência, dos mercados, dos cenários e das tendências são fundamentais para que uma organização antecipe as tendências de mercado e dos seus concorrentes.

A IC pode ser entendida como o conjunto de ações sistematizadas de procura; que visa descobrir as forças que regem os negócios (sempre de forma ética e legal, não confundir com espionagem industrial); de análise e de disseminação; das informações úteis aos tomadores de decisão das organizações.

Este processo conduz à melhor tomada de decisão, seja ela estratégica ou operacional.

O objetivo maior da Inteligência Competitiva é agregar valor à informação, visando o crescimento organizacional.

Depois de ler atentamente o estudo “Gestão de Conhecimento em Portugal - 2011” da autoria de Ana Neves apercebi-me que esta disciplina passa muito despercebida às organizações portuguesas.

Se analisarmos o gráfico representativo da pergunta "Como classifica a qualidade destes processos na organização?" (pergunta 25 do questionário que serviu de base ao estudo) poderemos ver claramente que a inteligência competitiva é a prática em que as organizações menos investem: 13,71% dos inquiridos afirma que as organizações em que trabalham não fazem Inteligência Competitiva.

 

Estudo GC 2011 - processos

Gráfico retirado do relatório do estudo "Gestão de Conhecimento em Portugal - 2011"

A falta de informação é, a meu ver, um dos fatores mais importantes deste problema. A maioria dos inquiridos revela um grande desconhecimento sobre este tema. Apesar de ter surgido na década de 80, a inteligência competitiva só começa a ser mais falada em Portugal na última década, tornando-a ainda muito recente no nosso país.

Sistemas de inteligência competitiva são normalmente associados a custos megalómanos, apenas acessíveis a grandes empresas. Na realidade esta prática pode ser aplicada a todo o tipo de organizações, muitas vezes de forma acessível. A importância da informação é reconhecida pelas organizações, como poderemos constatar no gráfico criado com as respostas da pergunta 25, em que revela a importância dada à utilização de conhecimento e informação.

Muitas organizações já iniciaram o processo de inteligência competitiva de forma informal, alterações simples na metodologia de trabalho poderão ter grandes resultados com investimentos pequenos.

Outro fator que pode levar à falta de investimento nas novas modalidades poderá estar relacionado com a dificuldade de aceitar a mudança na organização. Aliada à falta de informação, a aplicação de novas práticas causa ruturas a que muitas empresas resistem: porque não vão ter resultados imediatos, porque é difícil motivar os funcionários, porque sentem não ter tempo…

Existe um sem número de fatores que abrandam o ritmo de implementação da inteligência competitiva e irão existir sempre, no entanto existem benefícios que devem ser tomados em conta e que poderão na grande maioria das vezes revelar ter mais peso que os obstáculos.

Entre outros destaco os seguintes:

  • identificação da concorrência (atual e futura)
  • antecipação de mudanças de mercado
  • previsão de tendências
  • análise, avaliação e monitorização da concorrência
  • identificação de novas tecnologias, produtos e processos
  • identificação de oportunidades e ameaças
  • minimização do risco na tomada decisão
  • desenvolvimento e consolidação de postura pró-ativa na organização
  • simplificação dos processos de trabalho, o que favorece a melhoria contínua e o aumento da produtividade.

Apesar de ser uma disciplina ainda com pouca visibilidade em Portugal estou certo de que irá existir um maior interesse quando as organizações conseguirem ter perceção que o conhecimento dos ambientes interno e externo de uma organização é muito importante no seu desenvolvimento sustentável.

1 comment

Leave a reply