Vantagens da Gestão do Conhecimento para as Empresas

Questão enviada por Bruno Rino Pereira Tose: Quais as vantagens da gestão do conhecimento para as empresas?

A minha resposta:
A gestão de conhecimento tem várias vantagens para as organizações, entre elas, permite-lhes:

  • ter uma melhor noção do conhecimento que têm e de que precisam;
  • aumentar o conhecimento organizacional e maximizar a sua eficácia;
  • aumentar os resultados efectivos da inovação;
  • reduzir custos e o time-to-market (porque reduz a duplicação de erros e a reinvenção da roda);
  • aumentar a satisfação dos clientes (porque oferece melhor e mais rápido acesso ao conhecimento existente na organização);
  • aumentar a satisfação dos colaboradores (porque lhes oferece mais hipóteses de aprender e mostrar o que sabem);
  • aumentar a satisfação dos restantes stakeholders (por todas as razões anteriores).

Nada disto acontece de um dia para o outro, e não resulta apenas através de enormes programas organizacionais. Há pequenas coisas que as organizações podem fazer a fim de produzir bons resultados, em pequenas áreas, e num curto espaço de tempo.

Vale ainda realçar que, apesar do que é dito e do que pode parecer, a resposta não passa essencialmente pela tecnologia, mas antes pelos processos e pelos factores humanos e culturais.

Ana Neves
é sócia-gerente da knowman - Consultadoria em Gestão, Lda, empresa através da qual presta apoio de consultadoria nas áreas de gestão de conhecimento, aprendizagem organizacional, mudança cultural e social media. Tem participado como oradora convidada em conferências e facilitado workshops em Portugal, Brasil e Inglaterra. Criou e mantem o KMOL. Perfil no LinkedIn No Twitter

7 comentários em “Vantagens da Gestão do Conhecimento para as Empresas

  • Penso que, talvez o maior problema das vantagens citadas neste artigo, esteja em medir a tangibilidade de sua eficácia. Pelo que tenho acompanhado, vejo como maior dificuldade na implantação da gestão do conhecimento a percepção das organizações em relação a própria definição de conhecimento e informação e seus papéis na estrutura formal. Por mais que buscamos esclarecimentos sobre estes termos não conseguimos perceber a interdisplinariedade existente em sua essência. E com isto, a disputa pela definição de papéis, pelos “donos do conhecimento” de uma determinada organização ou pela simples e densa definição de acessos, impede a implantação real desta valiosa ferramenta organizacional.

  • Pingback: KMOL » Blog Archive » O retorno do investimento

  • Comentário tardio.
    GC ou KM estão também ligadas à questão de longevidade ou mesmo sobrevivência da organização.
    Imaginem o que ocorre se teus concorrentes fazem KM e só não a tua organização!

  • É sem dúvida um comentário pertinente, Ferdinand. A lista que apresentei focava nos aspectos “internos” sem considerar a necessidade de considerar GC como resposta aos esforços nessa área de outras organizações.
    Isto é bem similiar à situação que se passa (actualmente) com as organizações e a sua presença nas redes sociais: as organizações esquecem-se que, mesmo não querendo ter uma presença activa nas redes sociais, deveriam “andar por lá” para saber o que os seus concorrentes fazem e para saber o que os seus clientes (e potenciais clientes) dizem.

  • Penso que a nossa resposta instintiva de senso de conservação da espécie e uma força de primeira ordem em nosso comportamento.
    Transpondo isto para as organizações, deveria também aparecer nas GC(KM)como o primeiro axioma.
    De que adiantam outras medidas se nossa sobrevivência está ameaçada?

  • Em meus comentários anteriores havoa esquecido da sustentabilidade! E como tem muitos atores competindo no mesmo cenário, cuidem para não se entrar irreversívelmente na tão cruel “tragédia dos comuns”.

  • Pingback: A propósito de gestão de conhecimento | KMOL

Add Comment Register



Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>