Princípios Orientadores à Participação em Sites Sociais e à Utilização de Ferramentas Sociais

A participação dos seus colaboradores em redes sociais é vista como um grande risco tanto por organizações públicas como por empresas privadas. Os três riscos geralmente identificados, também aplicados à utilização de ferramentas sociais (e.g. wikis, blogs, chats) no seio da própria organização entre colegas, são:

  1. o tempo desperdiçado nessa actividade em horário de trabalho
  2. a transmissão, mesmo que involuntária, de informação privada e confidencial da organização
  3. danos à imagem da organização devido ao comportamento dos seus colaboradores nessas plataformas públicas.

O primeiro risco é algo que as organizações podem eliminar através da proibição do uso de ferramentas sociais em sites públicos e da não criação / instalação dessas ferramentas dentro da rede informática da organização. Infelizmente, ao eliminar esse risco, estão também a eliminar a possibilidade de beneficiarem de tudo o que de bom a participação nessas redes e a utilização dessas ferramentas pode trazer (ver aqui, aqui e aqui).

O segundo e terceiro riscos, infelizmente, não podem ser eliminados pois as organizações não podem proibir os seus colaboradores de utilizarem as ferramentas no seu tempo livre.

Assim, e ao invés de tentarem eliminar o risco, seria mais inteligente as organizações pensarem na melhor forma de gerir esse risco. E isso inclui encontrar formas de o minimizar.

Uma forma de o fazer é através da criação de guidelines - princípios orientadores e não regras - para utilização dessas ferramentas dentro e fora da organização.

Os princípios orientadores não variam muito de organização para organização. No entanto, a linguagem usada e a ênfase dada a determinados pontos dependerá de acordo com o tipo de organização e de se se tratarem de princípios orientadores para ferramentas específicas ou genéricas, e de ferramentas internas ou públicas.

Assim, e também por uma questão de buy-in dos colaboradores, concordo inteiramente com Patricia Yoshioka da Daiichi Sankyo Brasil que, num comentário no fórum da SBGC defende o envolvimento dos colaboradores na definição e redacção desses princípios orientadores.

Mas porque é sempre bom olhar para o que outros já fizeram e obter alguma inspiração, fica aqui uma pequena lista de princípios orientadores produzidos por alguns sites e organizações.

IBM Social Computing Guidelines

Sun Microsystems Communities: Sun Guidelines on Public Discourse

Wiki guidelines da Libsuccess

Microsoft Office Live Small Business Community: Code of Conduct

Sony Ericsson Developer World

No caso destas últimas, e para o caso de não quererem ouvir o vídeo na íntegra, aqui ficam por escrito:

  1. Respeite a opinião dos outros
  2. Seja responsável
  3. Respeite o tópico
  4. Use senso comum
  5. Escreva em inglês

5 comments

  1. Ana Neves 2 Junho, 2009 at 22:28 Responder

    Vale a pena ler um post que foi hoje publicado no Mashable com o título 10 Must-Haves for Your Social Media Policy:

    • explique o propósito dos mídia sociais
    • seja responsável com o que escreve
    • seja autêntico
    • considere a sua audiência
    • use o seu bom senso
    • entenda o conceito de comunidade
    • respeite o copyright
    • lembre-se de proteger informação confidencial e proprietária
    • acrescente valor
    • a produtividade importa

    O post inclui ainda a reprodução das regras de utilização de mídia social da Headset Bros.

  2. Ana Neves 19 Junho, 2009 at 11:12 Responder

    A propósito deste tema, gostaria de apontar para um post interessante que reflecte sobre o facto de o Município de Bozeman, Montana, EUA, pedir aos seus potenciais colaboradores que listem todos os sites sociais em que estão registados. Para além disso, e para que possam fazer uma inspecção mais profunda, pedem ainda àqueles que se candidatam a empregos no Município que indiquem quais os seus nomes de utilizador e palavras-chave de acesso. Chocante!

    Fica ainda a sugestão de um post com o título “What you can do with your social media rules…” e no qual Mollybob expressa o seu desagrado por regras em sites sociais. Quando a questionei, através do Twitter, sobre se ela faz distinção entre regras e princípios orientadores, ela respondeu que o que importa é a origem dessas regras ou princípios: são estabelecidos por uma pessoa ou baseados na observação do comportamento do grupo. Muito interessante!