Ferramentas sociais ao serviço da saúde

Hoje tive o prazer de fazer uma apresentação no evento Q-Day: Inovação Contra a Crise organizado pela Quidgest. Este evento pretendia ser um palco para a partilha de conceitos, ideias e experiências que, de alguma forma, constituam inovações ou possam conduzir à inovação.

A Quidgest pediu para que, recorresse à minha experiência na NHS em Inglaterra e ao trabalho que desenvolvi na Headshift como consultora em projectos onde as ferramentas sociais eram usadas para criar novos canais de comunicação e colaboração. Assim surgiu a ideia de fazer uma apresentação sobre como as ferramentas sociais estão a ser usadas no contexto da saúde e do bem-estar.

Porque uma imagem, ou neste caso, um exemplo, vale mais do que mil palavras, ao invés de usar slides, resolvi apoiar toda a minha apresentação em sites que, disponíveis a qualquer pessoa, ilustram o que se pode fazer quando a tecnologia está disponível, as necessidades são claramente identificadas e à imaginação são retirados os limites.

O que se segue é uma lista dos sites que apresentei esta manhã, acompanhados de uma pequena descrição / justificação.

Patient Opinion
Patient Opinion - página inicial

Este site, de que já falei aqui, aqui e aqui, convida os cidadãos a falarem das suas experiências, positivas ou negativas, junto dos serviços públicos de saúde britânicos. Essa informação é depois usada por outros cidadãos para fazerem escolhas informadas sobre as instituições de saúde onde querem ser tratados, pelas próprias instituições para identificarem as áreas a melhorar e a manter, e pelo Ministério da Saúde para perceber temas quentes.

Patients Like Me
Patients Like Me - página inicial

Tal como diz o próprio site, este permite encontrar outros doentes com problemas semelhantes e com eles trocar experiências que vão desde os tratamentos aos sintomas. Este site actua ainda como forma de divulgação da última pesquisa nas doenças específicas “cobertas” pelo site.

Viver Outra Vez

“Dedico este espaço a todas as mulheres com Cancro da Mama. Faço um convite a todas que aqui queiram partilhar as suas experiências...” Mais palavras para quê? Um exemplo muito bem sucedido de uma senhora que criou um blog, numa plataforma disponível a todos os cidadãos: um canal de desabafo, de partilha e de informação em torno de uma das grandes doenças da actualidade.

Enabled by Design
Enabled by Design - Ideas Factory

Todos nós temos necessidades especiais, porque estamos doentes, porque temos as mãos pequenas, porque temos a perna engessada, porque nascemos surdos... No entanto, nem sempre temos possibilidade de conviver fisicamente com pessoas com necessidades semelhantes e nunca nos é possível saber tudo o que existe (ou pode existir) que nos ajude com as nossas necessidades. O Enabled by Design é um projecto que pretende juntar pessoas com necessidades especiais (todos nós), com a comunidade de designers (ansiosos por saber das necessidades concretas) e as empresas de manufactura e comercialização (sempre à procura de novos produtos). Neste espaço podem falar do que gostam e detestam, da forma como as suas necessidades são suprimidas com produtos existentes no mercado ou como não são e poderiam ser. O site inclui ainda um espaço para que se partilhem ideias e se trabalhe em seu torno.

Medicine Chest
Medicine Chest - página inicial

Não é científico, ninguém assume responsabilidade pelo que lá é dito. Com o objectivo primário de preservar formas de medicina tradicionais, este site inclui “histórias” de como tratar (ou se tratavam) dores de garganta, insónias, cancro, etc., com base em produtos naturais ou técnicas tradicionais. A preservação destas peças da história, a valorização do ambiente e tudo o que é natural, a partilha de dicas, estão no âmago do que atrai as pessoas ao site.

My Health Innovation

Ter ideias é bom. Poder partilhá-las, dar-lhes corpo com base no feedback de outros, e dar-lhes vida, é muito melhor. Esta é mais uma plataforma para que as pessoas avancem com as suas ideias, recebam votos e apoio de outras pessoas para que elas se possam concretizar.

Shift.ms

Para a comunidade de doentes e interessados em Esclerose Múltipla, este é um site onde se dá informação sobre a doença, onde se encontram pessoas de acordo com o local onde vivem, onde se partilham vídeos, etc..

Mapa noticioso sobre a gripe suína

Este site agrega notícias do Google News sobre a gripe suína, dando assim uma ideia do que se vai dizendo sobre a matéria em publicações noticiosas. A coloração das células reflecte o quão recente cada notícia é. Algo relativamente fácil de fazer do ponto de vista técnico mas um conceito interessante para a informação pública.

 

Poderia ter referido dezenas de outros sites, outros bons exemplos dos propósitos e da abordagem adoptada por estes. Esta lista foi criada com base em sites que fui descobrindo ou para os quais fui alertada e, confesso, inclui alguns sites que, eu mesma, ajudei a criar.

A caixinha de comentários nesta página é um convite às vossas opiniões mas também uma óptima oportunidade para sugerirem outros sites que pudesse fazer sentido eu ter incluído nesta lista. Afinal de contas, muitos dos exemplos são de Inglaterra e dos EUA e eu adoraria saber dos exemplos de língua portuguesa.

Uma última linha para referir que, obviamente, alguns dos princípios subjacentes aos sites aqui apresentados poderiam ser usados (e estão já a ser usados) em contextos diferentes. Por exemplo, não é difícil pensar que se poderia criar o equivalente ao Patient Opinion para fazer avaliação de escolas; ou que se poderia criar um My Health Innovation para incentivar a inovação em torno dos transportes públicos; etc..

12 comments

  1. Sérgio Storch 6 Outubro, 2009 at 17:55 Responder

    Oi Ana

    Vamos criar um grupo de GC em farma (tenho uma conversa marcada com a Pati). Ler este post me fez pensar em objetivos mais ambiciosos do que eu imaginava: enriquecer essa coleção com casos brasileiros, promover a replicação no Brasil de casos como o Patient Opinion, e disseminar o Patientslikeme no Brasil para pessoas que tenham doenças raras. Entre outras coisas… Vamos começar o grupo com pessoas de 5 empresas farma, que vimos colecionando esse tempo todo. Chegou a hora… Quer ser a madrinha?

    Pati, comente aqui ou no seu blog…

    • Ana Neves 6 Outubro, 2009 at 18:59 Responder

      Que ideia boa, Sérgio!

      Em princípio terei o maior prazer em “amadrinhar” essa ideia. Apesar de considerar que muitos dos problemas / soluções não são específicos de uma determinada indústria, entendo que seja, por vezes, mais fácil organizar conversas em torno de sectores específicos. Temos de agendar essa conversa para eu perceber melhor essa vossa ideia e eu darei o meu apoio da melhor forma que puder.

    • Fernando Viberti 6 Outubro, 2009 at 20:06 Responder

      Ana e Sérgio,

      Eu estava falando com a Patrícia no outro dia sobre a criação desse GC em farma. Na verdade, ela estava me contando que teve a idéia. Como disse para ela, no Brasil essa iniciativa pode esbarrar na rigidez da Anvisa sobre divulgação de medicamentos e/ou associação da marca das farmacêuticas em comunidades que, mesmo de forma tênue, divulguem medicamentos, principalmente após a entrava em vigor da RDC 96, em junho. E não estou falando em propaganda explícita, basta algo leve.

      A Patrícia acha que não, mas eu reafirmo que é preciso ter muito, mas muito cuidado, pois trabalho com várias indústrias farmacêuticas e uma delas está avançadissíma na questão da web 2.0 e a gente está dando suporte. Estamos vendo bem de perto os problemas que enfrenta com a Anvisa.

      Nada disso que falei, impede, de forma alguma a criação do grupo de GC sobre farma, mas, se depender de alguma forma, do suporte da indústria, talvez seja complicado.

      Esse talvez é meu mesmo, pois as resiluções da Anvisa são tão subjetivas que, na dúvida, muita gente não está fazendo nada até eles regulamentarem pontos específicos.

    • Paty 6 Outubro, 2009 at 23:11 Responder

      Oi, gente!

      Eu acho que saúde 2.0 é um assunto que está crescendo e muito, e é interesse das empresas/governo/sociedade acompanhar o avanço do assunto, mas devido a nossa legislaçao e demais problemas do gênero, temos maior resistencia por parte das empresas daqui…

      Sugiro definir uma pauta mais simples e genérica para não “assustar” e aos poucos ir amadurecendo a idéia.

      A Ana é perfeita para “amadrinhar” o projeto!!! Adorei!!!

      Fe, vc podia me falar desse seu projeto misterioso aí…rs..

      Abraços

      Paty

    • Ana Neves 7 Outubro, 2009 at 00:28 Responder

      Obrigada, Fernando, pelos seus comentários e alertas. Não estou muito por dentro dessa indústria no Brasil mas penso que os comentários são válidos.

      Assim, inclino-me para a sugestão da Paty e fico a aguardar a melhor oportunidade para conversar sobre esta ideia em mais detalhe.

      E devo confessar que me sinto bem à vontade para “amadrinhar” a ideia: com tanto spam que o KMOL recebe promovendo produtos farmacêuticos… 🙂

    • Luis Antonio Cezar Junior 7 Outubro, 2009 at 12:52 Responder

      A idéia de desenvolver um grupo de Gestão do Conhecimento em Saúde é fantástica. Precisamos aprimorar os canais de comunicação com os pacientes, trazê-los mais próximos e ouvi-los com mais detalhes. Acredito que com as ferramentas da web 2.0 poderemos desenvolver um novo formato de Atenção Farmacêutica, muito mais dinâmico e eficaz. As barreiras que serão impostas pela Anvisa são naturais, já que esta revolução das midias sociais é recente e há pouco conhecimento de seu impacto na área da saúde. Apoio esta idéia e acredito que com ela elevaremos a comunicação em saúde a um novo patamar.

      Abraços

      Luis Antonio

    • Nane 9 Outubro, 2009 at 15:44 Responder

      Oi gente, sou amiga da Paty e parceira de maluquice… Sou apaixonada pela idéia desde sempre, agora pra mim só falta a galera da indústria se envolver… participei de um grupo do google sobre web mkt em farma, acho que seria um povo que se interessaria pela discussão… tô encaminhando a conversa de vocês!!!

    • Sérgio Storch 2 Novembro, 2009 at 12:54 Responder

      Oi gente, só agora é que li os comentários posteriores do Fernando Viberti, Luis Antonio e Nane.

      Então, gostaria de fazer um convite: marcar a primeira reunião deste grupo para um dos dias em que a Ana estará conosco. Ana, acho que sua agenda é a mais concorrida neste momento. Quer nos sugerir 2 ou 3 alternativas? É preciso marcarmos rápido, para que tenhamos tempo de convidar as outras pessoas que já mostraram interesse.

      Ana, Fernando e eu estaremos no evento do Prêmio, portanto a logística poderia incluir esse dado.

      Aproveito para convidá-los a comentar a msg da Heloísa no fórum da SBGC (a última nesta trilha: http://www.portalsbgc.org.br/sbgc/foruns/tm.asp?m=5356&forumid=30)

      Um abraço

      Sérgio Storch

      • Ana Neves 3 Novembro, 2009 at 10:50 Responder

        Sérgio, o meu tempo no Brasil vai ser pouco e a agenda está já bastante preenchida. Mas, como talvez saiba, no dia 12 vou estar no evento do Prêmio. Assim, a única possibilidade para mim seria esse dia. Talvez alguém com conhecimento da agenda e do local do evento possa dar uma sugestão da melhor hora e local para nos encontrarmos para falar.

        Dou-vos autorização para gerirem o meu tempo nesse dia 😉 sendo que não quero perder pitada do evento, claro!

Leave a reply