Like-a-Hug

Um gosto real, que dá Like online e se transforma num abraço

Quando há algumas semanas estive em Gramado, Rio Grande do Sul, no Brasil, para fazer a palestra de encerramento do XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias, falei de gestão de conhecimento e da forma como a tecnologia nos ajuda com a gestão de conhecimento. Falei também na oportunidade de ir buscar conceitos dessas mesmas tecnologias, transportá-los para o mundo físico (no caso, das bibliotecas) e usá-los como forma de conseguir uma melhor disseminação, construção e utilização de conhecimento. (Os slides que usei nessa intervenção estão disponíveis aqui.)

Temos consciência de que as ferramentas sociais e sites como o Facebook e o Twitter têm alcançado grande sucesso pelo facto de recriarem online as interações a que estamos habituados no mundo analógico. Aquilo que me tenho vindo a perguntar é se estará na altura de começarmos a estudar como evoluiram esses processos de mímica. Que novas interações criaram? De que forma as poderemos aproveitar, importando-as ou adaptando-as para o offline?

Assim, foi com um sorriso nos lábios que hoje li sobre um projeto fantástico chamado "Like-a-Hug". Este projeto de Melissa Kit Chow, Andy Payne e Phil Seaton, nasce de um trabalho académico no MIT Media Lab - Tangible Media Group.

Trata-se de um colete que se enche quando alguém faz Like de conteúdo nosso no Facebook. Ao encher, produz um ligeiro aperto que transmite a sensação física de um abraço.

Nem vale a pena entrar no debate se este colete seria, ou não, algo que se pudesse realmente usar. Não é isso que está em causa. O que está em causa é que, apesar de todas as sensações, toda a aprendizagem, que conseguimos online, continuamos a ser seres humanos, que necessitamos de sensações físicas. Estas não só nos transmitem emoções como, por arrasto, solidificam a nossa aprendizagem.

Estará na altura de, nas nossas organizações, começarmos a pensar em formas de recriar offline, interações de sites como Facebook, Linkedin e plataformas de colaboração organizacional?

Leave a reply