Social Now 2017 - participants

Um festival de estrelas da GC no Social Now 2017

A edição deste ano do Social Now foi como que um festival de estrelas do mundo da gestão de conhecimento. Na sala do Social Now estiveram em simultâneo:

  • Victoria Ward que há anos me ensinou a fazer análise de redes sociais e me abriu os olhos para o uso de narrativas;
  • Chris Collison com quem aprendi técnicas como o after action review que ainda hoje utilizo nos meus projetos;
  • Paul Corney com tanta experiência de tantos projetos fantásticos para partilhar (ver entrevista);
  • Luis Suarez, alguém cujo trabalho acompanho há anos e com quem tanto tenho aprendido sobre o papel das ferramentas sociais na partilha de conhecimento organizacional (ver entrevista);
  • Patrick Lambe, o guru das auditorias de conhecimento, que conheci pessoalmente há pouco tempo e com quem estou a aprender imenso (ver resumo do livro que ele escreveu);
  • Eric Hunter que, depois de ter estado no painel o ano passado, viajou dos EUA para este ano assistir ao evento.

Foi uma honra e uma enorme alegria vê-los reunidos naquela sala, ainda mais para um evento que organizo.

Mas não foram só as estrelas da gestão de conhecimento. Participaram também estrelas de outras áreas, como Thierry de Baillon que nos ajudou a olhar o futuro do trabalho e da sociedade de informação, Ellen Trude que partilhou o seu percurso pessoal no mundo do trabalho digital tendo começado por explorar as ferramentas sociais para aprendizagem contínua numa grande farmacêutica alemã; e Neil Usher já premiado pela sua conceção de espaços físicos de trabalho na Sky e outras grandes empresas.

Pelo palco do Social Now passaram também seis ferramentas que mostraram de que forma podem dar resposta às necessidades da Cablinc, a empresa fictícia que serve de base a quase todas as apresentações do evento. De forma mais ou menos inspiradora, vimos a utilização das diferentes ferramentas no contexto de um dia de trabalho, permitindo aos participantes avaliar se aquela é uma forma de trabalho que faz sentido para as suas organizações. A MangoApps foi votada pelos participantes na sala como a mais cool, a que melhor se adapta às empresas que assistiram ao evento e a que teve a melhor apresentação (ver vídeo).

Social Now 2017 - networking

Durante a sessão de networking, descobrem-se mais pormenores das várias ferramentas, exploram-se outros cenários de aplicação e discutem-se experiências de implementação e roll-out

Pela primeira vez o Social Now deu também palco a empresas reais que estiveram presentes para contar como usam as ferramentas para os ajudar no dia-a-dia. Também aqui o briefing que receberam foi diferente daquilo que normalmente se encontra em conferências do tema. Ao invés de seguirem o típico modelo (o que era antes, o que fizemos, os resultados, lições aprendidas, próximos passos), a ideia era contarem um dia de trabalho nas suas empresas para que víssemos de que forma as ferramentas são usadas e servem de suporte efetivo à sua operação. Vikki Nye, da Superdrug Stores, fez uma apresentação brilhante de como esta enorme cadeia de retalho britânica recorre à sua intranet para comunicar e potenciar partilha de conhecimento entre os seus colaboradores que trabalham nas lojas (clique abaixo para ver o vídeo).

Para além de todas estas coisas mais "formais", houve também, como sempre, muito networking, muitas oportunidades para trocar experiências, colocar questões, debater ideias.

Social Now 2017 - coffee break

As pausas para café são sempre uma grande oportunidade para trocar ideias, estabelecer contactos e colocar questões aos oradores

Com um programa destes confesso a minha estranheza por não haver mais empresas portuguesas a participar. Quero acreditar que não se trata de uma desvalorização do tema e espero sinceramente poder estar numa sala ainda mais cheia se, para o ano, voltar a aventurar-me com a organização do Social Now.

Até lá, fica o convite para que:

 

Leave a reply