Sketchplanations - Goodhart's Law (by Jono Hey)

O que Goodhart nos diz sobre Métricas e Objetivos

Um dos meus blogs preferidos (será que se pode chamar um blog?) é o Sketchplanations. Nele, Jono Hey descreve, de forma visual, os conceitos mais variados: desde a diferença entre um cágado e uma tartaruga, o Golden Circle da liderança, a Lei de Murphy, etc.

A ilustração desta semana é sobre a Lei de Goodhart.

Sketchplanations - Goodhart's Law (by Jono Hey)

Ilustração da Lei de Goodhart por Jono Hey - sketchplanations.com

Esta lei deve o seu nome ao economista britânico Charles Goodhart e pode resumir-se como:

"Quando uma métrica se torna uma meta, ela deixa de ser uma boa métrica."

Esta lei é de extrema relevância no momento de, por exemplo, se pensarem métricas e objetivos para programas de gestão de conhecimento, comunidades de prática, intranets e plataformas de colaboração, etc.

Por exemplo, se decidirmos medir o número de visitas a páginas da intranet e definirmos esse como um dos objetivos do projeto, vamos ter as equipas responsáveis pelo projeto a pensar em formas criativas de obrigar as pessoas a "deambular" pela intranet. Ora, o número de páginas que as pessoas vêem na intranet pode ser uma péssima forma de avaliar o impacto que a intranet está a ter.

Imaginem uma organização em que os colaboradores têm de passar por 5 páginas para aceder a informação crítica para o seu trabalho. É natural que a organização veja aumentar o número de páginas vistas mas é quase certo que as pessoas irão reagir negativamente à experiência. E, se a intranet fica associada a experiências negativas, é natural que as pessoas se mostrem menos recetivas à informação que lá se encontra e até mesmo às portas que ela abre.

Acima de tudo, vale não esquecer que o mais importante - no caso da gestão de conhecimento, comunidades de prática, intranets, etc. - é mesmo o impacto que têm na organização. As métricas de atividade (número de visitas, número de comunidades, etc.) deverão ser apenas usadas para identificar oportunidades e necessidades de melhoria.

Uma última nota vai para a forma como esta Lei de Goodhart se relaciona com algo que ouvi há alguns anos da boca de David Snowden: a partir de um momento em que decidimos medir um sistema, estamos a alterá-lo. Segundo ele - e eu concordo inteiramente - não é razão para que não se façam medições: é antes uma razão para que sejamos particularmente cuidadosos no momento de definir métricas e objetivos.

Leave a reply