Revisão da Literatura e Sistematização do Conhecimento

Revisão da Literatura e Sistematização do Conhecimento - capa do livroPara quem já passou pela escrita de uma tese, devem ser familiares as dúvidas iniciais:

  • sobre o que me devo debruçar?
  • o que já foi estudado sobre esta matéria?
  • “[q]uais os temas relacionados mais importantes?” (p 28)
  • “[q]uais são as principais controvérsias e debates?” (p 28)
  • “[o] que é conveniente ainda investigar?” (p 28).

Uma revisão da literatura é uma boa forma de dar resposta a estas questões. No entanto, este exercício traz consigo muitas outras questões. Nomeadamente:

  • O que é uma a revisão da literatura?
  • Sobre o que incide?
  • A que se destina?
  • A que questões deve dar resposta?
  • Como deve ser realizada?
  • Como se deve apresentar?
  • Como a podemos avaliar?

Estas são as questões que servem de estrutura ao livro “Revisão da Literatura e Sistematização do Conhecimento” da autoria de Teresa Cardoso, Isabel Alarcão e Jacinto Antunes Celorico.

Para além de dar respostas directas e sucintas às questões acima listadas, este trabalho apresenta ainda o MAECC®, o Meta-modelo de Análise e Exploração de Conhecimento Científico, da autoria dos autores. A vontade de fazer deste livro um recurso sucinto para rápida consulta fez com que a descrição deste modelo deixe algumas dúvidas (pelo menos a mim) sobre o que é, exactamente, o modelo e sobre a forma como pode ser usado.

Tanto o modelo apresentado como a abordagem sugerida pelo livro são totalmente independentes da área de investigação para a qual seja necessária a revisão da literatura o que significa que, como os autores referem, se revelam úteis para qualquer pessoa que tenha de levar a cabo esta actividade.

O livro contém várias sugestões de exercícios que visam ajudar o leitor a consolidar as ideias que lhe são passadas.

Com 60 páginas de texto (excluindo anexos), fotos coloridas, diagramas e um design gráfico invulgarmente cuidado, este livro destaca-se pela forma prática e sucinta como apresenta esta actividade científica.

Há que destacar o prefácio do livro que, assinado pelo Prof António Dias de Figueiredo, é um convite encantador para a leitura deste trabalho. Nas suas palavras, e em jeito de conclusão à presente resenha, este livro

“vem preencher um notório vazio no mercado livreiro português. (…) Por todos estes motivos, recomendo vivamente a sua leitura. É, a meu ver, uma contribuição importante para que a construção de Ciência, em Portugal, possa ser mais sistemática e rigorosa, mas também mais agradável e estimulante.” (p 8)

Abusando agora do meu chapéu de leitora crítica e arriscando-me a sair um pouco ao âmbito que uma resenha deve ter, gostava de realçar a importância das ideias e dos passos aqui descritos para uma outra actividade: a de levantamento de conhecimento organizacional, por exemplo no início de um projecto.

É muito normal as organizações iniciarem projectos sem antes terem o cuidado de fazer o levantamento, a revisão, a sistematização e a análise crítica da base de conhecimento relevante, dentro e fora da organização. Considero que com poucas alterações o modelo aqui apresentado poderia ser usado para este outro propósito. E lanço aqui este desafio aos autores do livro ou a qualquer outra pessoa que, durante uma revisão da literatura ou não, aqui possa ter vindo parar.

SobreRevisão da Literatura e Sistematização do Conhecimento - capa do livro o livro:
Revisão da Literatura e Sistematização do Conhecimento
Teresa Cardoso, Isabel Alarcão e Jacinto Antunes Celorico. Porto Editora, Portugal, 2010.


PS (adicionado a 8 Março 2010): O KMOL e a Porto Editora têm um exemplar do livro "Revisão da Literatura e Sistematização do Conhecimento" para oferecer àquela que os autores do livro considerarem ser a resposta mais interessante a uma das seguintes perguntas:

  1. Quais as técnicas e ferramentas que costuma utilizar para fazer revisão de literatura?
  2. Que dicas tem para partilhar?

Já agora seria muito bom saber em que contexto fizeram ou fazem revisão de literatura e em que área profissional.

Não há respostas certas nem erradas: apenas experiências próprias. Por isso, venha de lá essa partilha.

As respostas devem ser deixadas como comentário a esta página. A data limite para envio das respostas é 25 de Abril 2010 e o vencedor será anunciado aqui no KMOL no início de Maio de 2010.

12 comments

  1. José Dinis 1 Março, 2010 at 23:39 Responder

    Ana Neves, os meus agradecimentos por mais este Resumo e Divulgação desta Obra, que à partida disponibiliza algo muito relevante aos que tentam empreender um Projecto de Investigação e muitas vezes “emperram” nesta Fase da “Revisão da Literatura”. Estou curioso em conhecer melhor o seu conteúdo e os meus Parabéns aos Autores…

    • Ana Neves 3 Março, 2010 at 12:35 Responder

      Não tem nada que agradecer, José. Para mim é um prazer poder ler estes trabalhos. Especialmente quando são tão acessíveis e relevantes como este. Para mim foi, aliás, bastante oportuno: consegui tirar umas dicas para me ajudar com a preparação da pós-graduação / mestrado onde irei leccionar.

      Obrigada ao José por se manter atento ao KMOL 🙂

    • Teresa Cardoso 4 Março, 2010 at 06:56 Responder

      José, obrigado pelo seu comentário perspicaz e pelas felicitações! Espero que satisfaça em breve a sua curiosidade e que nos dê feedback depois de ler o livro;-)

  2. Ana Neves 11 Março, 2010 at 11:38 Responder

    Trabalhei com uma colega, aqui há 2 anos, que tinha acabado o seu bacharelato. Ela não parava de cantar a maravilha que era o Zotero, uma extensão ao web browser Firefox que permite à pessoa gravar páginas web inteiras e outros documentos, categorizá-las com palavras-chave, arquivá-las em pastas, partilhá-las, aceder-lhes a partir de várias máquinas, e ela cria as referências bibliográficas por nós 🙂

    Apesar de não poder falar desta ferramenta por experiência própria, penso que vale a pena deixar esta dica. Se alguém conhecer ou vier a experimentar, por favor diga alguma coisa.

    Já está! Agora já me posso candidatar ao livro? 🙂 Ah, é verdade, eu não posso concorrer! 😉

  3. Joana Dias 19 Março, 2010 at 15:48 Responder

    Olá a todos. Neste momento estou a frequentar um programa doutoral em Marketing e encontro-me na fase de pesquisa e redacção da revisão de literatura. Por isso, este livro é de valiosa importância para mim, pq apesar de já ter redigido outras revisões de literatura, em âmbito de mestrado, é sempre importante aperfeiçoar as nossas técnicas com a ajuda de quem sabe.

    Quanto às perguntas que colocam, geralmente, antes de iniciar a pesquisa e redacção da RL elaboro um plano de trabalho dividido em 2 fases. Primeiro, a fase da pesquisa, onde explicito quais os tópicos que me interessam pesquisar e onde os pretendo encontrar (livros, teses e artigos científicos), para me manter sempre na linha temática que pretendo. Segundo, a fase da redacção, onde defino uma estrutura/índice para a RL desde a introdução do texto até à sua conclusão.

    Dica muito importante: manter um registo actualizado da literatura consultada para facilitar as citações e referências bibliográficas. Existe o software endnotes que ajuda posteriormente na construção bibliográfica, ou então uma simples tabela em word. 😉

  4. Sandra Coelho 21 Março, 2010 at 02:43 Responder

    Gestores de citações gratuitos:

    Citeulike – social networking citation manager.

    Connotea – for researchers, clinicians, scientists; from Nature Publishing Group.

    Zotero – Firefox extension; collect, manage, cite sources.

    Geradores de citações gratuitos:

    EasyBib

    NoodleTools (NoodleBib Express)

    Bibme

    A dica que eu partilho é optar pela ferramenta mais simples possível, para que o seu uso seja o mais intuitivo. E optar pela organização, consistência, simplicidade e universalidade.

    Guardar todos os resumos das consultas bibliográficas num ficheiro (que pode ser de texto) para mais tarde facilitar o acesso.

  5. Ana Neves 7 Abril, 2010 at 10:52 Responder

    Não sei bem se isto é uma dica, mas é algo que faço que me ajuda bastante. Quando leio um livro tenho sempre um lápis na mão com o qual faço umas marcações nas margens. As que mais uso são:

    . o desenho de um olho, para assinalar algo que quero aprofundar

    . a letra D, que marca a definição de um conceito

    . a letra Q, que assinala uma frase interessante que pode ser usada como citação

    . a expressão “(by…)”, que frisa o facto de que a ideia apresentada não é do autor do livro mas de outra pessoa.

  6. Virginia Pires 7 Abril, 2010 at 14:01 Responder

    Olá Pessoal, Quando inicio um projeto para escrever um artigo ou monografias, dedico especial atenção ao planejamento desta fase – Revisao de Literatura. Inicialmente procuro escrever alguns objetivos especificos sobre o problema a ser investigado e no desdobramento procuro centrar nos aspectos relevantes na busca de literaturas, argumentos, estudos de caso, revistas, etc. Durante todas as leituras tenho um caderno em que faço um entendimento (sintese) sobre o conteudo lido, uma especie de resumo sob o meu ponto de vista. Esta pratica tem me auxiliado bastante ao chegar ao final do trabalho como reflexão, poder me encontrar com os autores, criar conviccção, ou não, ás vezes até contestando. Espero ter contribuido.

  7. Alice Gonçalves 21 Abril, 2010 at 14:00 Responder

    Olá comunidade Kmol

    Eu tenho escrito sobre vários temas e quando faço uma pesquisa biliográfica tenho algumas técnicas, que façam principalmente ganhar tempo.

    Em primeiro lugar tento ler o máximo, sobre os vários autores que falam do assunto.Selecciono a informação na primeira leitura. Leio muito rápido, mas páro onde me interessa, para fazer registos daquilo que vou voltar a ler, à posteriori.

    Os registos são efectuados conforme a natureza física da informação:

    – por exemplo, se fôr um livro,ponho uma folha em branco lá dentro e vou apontando frases, palavras ou ideias que acho importantes, com a respectiva página.

    – se for um livro online, adiciono à minha biblioteca (pode ser o Zotero) e faço o registo por exemplo da página e do tema, no próprio trabalho que estou a escrever.

    – quando são sites, adiciono os links ao meu blogue (http://activoshumanos.blogspot.com/)

    As minhas pesquisas são direccionadas para a area da gestão. Sou licenciada em GRH e mestranda em Criatividade e Inovação

  8. Teresa Cardoso 10 Maio, 2010 at 23:27 Responder

    Dia 8 de Março o KMOL e a Porto Editora lançaram um passatempo como forma de assinalar o lançamento do livro “Revisão da Literatura e Sistematização do Conhecimento”.

    O desafio lançado consistia em apresentar a resposta mais interessante a uma das seguintes perguntas:

    1. Quais as técnicas e ferramentas que costuma utilizar para fazer revisão de literatura?
    2. Que dicas tem para partilhar?

    As técnicas que foram descritas prendem-se sobretudo com diferentes tipos de leitura, que podemos associar a estilos distintos de ler e/ou às várias etapas do trabalho de rever literatura e sistematizar conhecimento. Também pode ainda estar dependente da nossa prática (e habilidade) em realizar um tal trabalho.

    Salientaram-se, então, a leitura rápida e selectiva, a leitura com anotações e a leitura com síntese crítica. Para além destes hábitos de leitura, foi igualmente referida a técnica de “ler o máximo, sobre os vários autores que falam do assunto”.

    Por outro lado, foi explicitada a elaboração de “um plano de trabalho dividido em 2 fases” – pesquisa e redacção.

    Uma última técnica foi mencionada: primeiro “escrever alguns objetivos específicos sobre o problema a ser investigado” para depois se “centrar nos aspectos relevantes”.

    Quanto às ferramentas explicitadas, todas relacionadas com citações e referências bibliográficas, entre as mais usadas constam o processador de texto (Word ou similar) e o Zotero. Foram ainda enumeradas as seguintes: EndNote, Citeulike, Connotea, EasyBib, NoodleTools (NoodleBib Express), BibMe.

    Relativamente às dicas partilhadas, sublinha-se a importância de “manter um registo actualizado da literatura consultada para facilitar as citações e referências bibliográficas”. Ou, dito de outro modo, destaca-se a relevância de “guardar todos os resumos das consultas bibliográficas num ficheiro […] para mais tarde facilitar o acesso”. Foi ainda aconselhado “optar pela ferramenta mais simples possível, para que o seu uso seja o mais intuitivo”, bem como “optar pela organização, consistência, simplicidade e universalidade”.

    Além disso, pretendíamos ainda saber em que contexto fizeram ou fazem revisão de literatura e em que área profissional.

    Os testemunhos que incluem esta informação remetem para o domínio académico (da pós-graduação, ao nível do mestrado/doutoramento), no âmbito do Marketing e da Gestão.

    Reconhecemos logo que não há respostas certas nem erradas: apenas experiências próprias. E, apesar, da partilha ter ficado aquém das nossas expectativas, esperamos que ainda possam surgir updates.

    Entretanto, temos o prazer de felicitar a Joana Dias que vai ser contemplada com o exemplar do livro.

    Por fim, reitero o nosso obrigado às outras participantes – Sandra Coelho, Virgínia Pires e Alice Gonçalves – e deixo uma nova palavra de agradecimento também ao José Dinis e à Ana Neves.

  9. Ana Neves 10 Maio, 2010 at 23:55 Responder

    Parabéns à Joana Dias e obrigada a todos os outros que já aqui deixaram as suas dicas.

    Tal como a Teresa refere, esperamos que (outros) continuem aqui a deixar as suas dicas e a partilhar a sua experiência.

    • Joana Dias 11 Maio, 2010 at 09:21 Responder

      Agradeço imenso à Ana Neves e Teresa Cardoso a atenção, será uma ajuda preciosa para o desenvolvimento da minha tese de doutoramento. Muito obrigada!

Leave a reply