Search Patterns: Design for Discovery

Search Patterns não é um livro técnico: é sobre design e experiência de utilização. É sobre o que as pessoas preferem, o que as pessoas estão habituadas e aquilo de que mais beneficiariam no que diz respeito à pesquisa. E não, não é apenas sobre pesquisa na Internet no seu computador: o livro inclui exemplos sobre pesquisa em dispositivos móveis, na televisão ou em quiosques de informação.

O livro começa dizendo que a pesquisSearch Patterns (Peter Morville, 2010) - covera é muitas vezes sinónimo de “caixa” já que na grande maioria das vezes é numa caixa que escrevemos a expressão de pesquisa. No entanto, estamos numa altura em que temos de questionar essa caixa.

A anatomia da pesquisa, assim lhe chamam os autores, inclui 5 elementos: utilizadores, interface, motor, conteúdo e criadores. Todos estes elementos influenciam e alicerçam os padrões de comportamento de pesquisa.

A forma como podemos melhorar a experiência de pesquisa é uma parte fulcral deste livro. Os autores dedicam um capítulo inteiro aos princípios do design de pesquisa:

  • construção incremental
  • revelação progressiva
  • resposta imediata
  • vistas alternativas
  • previsibilidade
  • reconhecimento em vez de lembrança
  • interrupção mínima
  • manipulação directa
  • contexto de utilização.

E de seguida, os autores levam-nos até aos padrões de design:

  • autocomplete
  • primeiro o melhor
  • pesquisa federada
  • navegação facetada
  • pesquisa avançada
  • personalização
  • paginação
  • resultados estruturados
  • resultados accionáveis
  • descoberta unificada.

Search Patterns não é o tipo de livro que costumo rever no KMOL. Decidi fazê-lo por três razões.

Primeiro, sei, infelizmente, que o design da experiência de utilização é geralmente ignorado. E, no entanto, é algo que pode fazer a diferença entre o sucesso ou insucesso de um projecto. É importante ajudar aqueles que não são designers a ver o impacto que pode ter, oferecer-lhes linhas orientadoras, ideias e exemplos de como se pode melhorar a experiência dos utilizadores através do design.

Segundo, a gestão de conhecimento é muito mais do que as ferramentas e certamente muito mais do que dados e informação. Porém, encontrar informação, dados e conhecimento, facilmente, no formato adequado e quando deles mais precisamos é um dos grandes desafios das organizações. Olhar para este desafio da perspectiva da pesquisa é um óptimo complemento para as perspectivas habituais de quem se interessa pela gestão de conhecimento: criação e arquivo de conhecimento.

Em terceiro lugar, a pesquisa é como um polvo cujos tentáculos se estendem em muitas direcções, alimentando-se e interferindo em muitas áreas. Reflectir sobre pesquisa é reflectir sobre as pessoas, arquitectura de informação, taxonomia, contexto, estratégia de negócio, etc.. Tudo isto é fundamental para uma gestão de conhecimento verdadeiramente eficaz.

Devo dizer que gostei imenso deste livro. Está escrito de uma forma simples, quase poética, e inclui imensos exemplos ilustrados. É um livro óptimo para designers e profissionais de experiência de utilização, mas também para informáticos, profissionais das ciências de informação e da gestão de conhecimento.

No site do livro podem encontrar informação sobre os autores e também vários dos exemplos usados no livro.

Sobre o livro:
Search Patterns: Design for Discovery
Peter Morville e Jeffery Callender. O'Reilly, Canada. 2010.

1 comment

  1. Ana Neves 9 Janeiro, 2011 at 20:29 Responder

    Gostei de teu review deste livro.

    Como acabei de receber pela Amazon o “Visual Thinking for Design” de Colin Ware, que ainda não li, e que de um certo modo trata do mesmo assunto por outro enfoque.

    Nossa percepção é visual por excelência. Há que se entendê-la melhor.

    Mãos à luta.

Leave a reply